Kombucha: a sua dose diária de probióticos e vitaminas

Quem sabe ouvir, distingue a sabedoria.

Quem não sabe ouvir, só ouve ruído.
(Provérbio Chinês)

“Conhecida pelos chineses como o elixir da saúde, é uma bebida milenar obtida pela fermentação do chá, preto ou verde, e açúcar. Após a fermentação a Kombucha transforma-se numa bebida gaseificada repleta de vitaminas, enzimas, probióticos e ácidos com muitos benefícios para a saúde. Historicamente, a Kombucha era a bebida consumida pelos Samurais antes das batalhas, o que melhorava a força e o vigor físico.” ( inhttps://camelliakombucha.pt/)

Estou constantemente em busca de medidas de tratamento, remédios e alimentos de origem natural. Por esta razão, senti-me atraída pela saudável bebida chamada Kombucha. Estas colónias de fermentos e bactérias há muito que são usadas por outros povos, especialmente no extremo oriente, para a criação de bebidas e alimentos promotores da saúde.
Foi nesta constante busca que descobri que A PRIMEIRA FÁBRICA DE KOMBUCHA NO NORTE DE PORTUGAL FICA EM GUIMARÃES, trata-se da marca Camellia Kombucha que vende bebidas desde a Green Week e já conseguiram levar a sua kombucha, para além de Guimarães, ao Porto, a Matosinhos e a Braga.  (Clica aqui para ver onde, para além da Clorofila e do Oriente, podes encontrar a Camellia Kombucha).

Ignorância não é: saber pouco.

Também não é: querer saber pouco.

Ignorância é: acreditar saber o suficiente.
A.J.Daniel (escritora americana, 1921-1982)

Porque é que, enquanto atleta, bebo KOMBUCHA?

Sendo um probiótico que ajuda a regular os intestinos (e o sistema digestivo em geral), esta bebida realiza um papel importante na minha dieta e no meu bem-estar. A informação que recolhi para redigir este artigo leva-me a concluir que a Kombucha, bebida efervescente feita de chá doce fermentado, é boa para todos e poderá ter particulares benefícios para quem realiza exercício físico. Se antes do treino é um excelente “booster” e atua preventivamente para as agressões a que o organismo vai estar sujeito; depois do treino os atletas devem beber kombucha como uma bebida de recuperação para ajudar a reabastecer, reidratar e melhorar o desempenho geral.

A Kombucha na HIDRATAÇÃO: para mim é o valor dos eletrólitos e das vitaminas, essenciais para manter o corpo hidratado e funcionando sem problemas, que faz da kombucha Camellia uma bebida de recuperação poderosa, sem adoçantes adicionados e cores artificiais, especialmente após um treino pesado.

Os  NUTRIENTES que constituem a Kombucha são vários e não só ajudam a absorver outros nutrientes com muito mais facilidade (como o ferro) como ajudam a aumentar o metabolismo do corpo, evitam a fadiga, atuam nas articulações e tecidos e ajudam a aliviar a dor muscular: vitamina B1 (tiamina), vitamina B2 (riboflavina), vitamina B3 (niacina, niacinamida), vitamina B6 (pyridoxina), vitamina B12 (cobalamina, cyanocobalamina), vitamina C, Aminoácidos, Polifenóis, Enzimas orgânicas são parte do complexo vitamínico em causa.

Os ANTIOXIDANTES presentes na Kombucha: todos sabemos que quando realizamos exercício físico expomos o nosso organismo a níveis de estresse e que necessitamos de antioxidantes, nutrientes que ligam e neutralizam os oxidantes nocivos. A presença desses antioxidantes na kombucha faz dela uma bebida de recuperação natural ideal que apoia ainda a saúde do fígado e dos rins, para que o corpo possa eliminar as toxinas metabólicas e ambientais com muito mais facilidade.

Mas afinal, A Kombucha apareceu agora ou já existia?

Na Prússia Oriental, nos países do Báltico e em muitas partes da Silésia, Saxónia e dos Sudetos, a Kombucha sempre esteve presente entre as famílias. Porém, presume-se que a sua origem esteja ou no Japão ou na China. Os descobridores das receitas terão sido os soberanos Yi Ti e Tu K’ang – cerca de 2000 antes de Cristo. Os chineses reconheceram que materiais fermentados podem ser mais nutritivos do que os recém-colhidos (segundo Böhmig, 1983).

Da História da Medicina sabe-se que, mais tarde – cerca de 200 antes de Cristo -, no velho reino chinês da Dinastia Tsin, trabalhou-se intensamente na pesquisa da Kombucha. Da China ou Japão espalhou-se o “scoby” (disco de bactérias) por todo o território da Ásia Oriental.

A predileção do povo russo por bebidas fermentadas fez com que a receita se espalhasse rapidamente entre as famílias Russas e dali veio às regiões do leste alemão.

No ano de 1913 apareceu a primeira publicação científica em língua alemã sobre esta bebida. O Prof. G. Lindau descreveu então pormenorizadamente uma cultura que ele obteve de um certo Dr. Gisevius e que provinha de Mitau, em Kurland, onde a bebida era usada contra todas as possíveis enfermidades. O “cogumelo” teria sido trazido por marinheiros até Mitau. O Prof. Lindau deu à simbiose de bactérias o nome científico de “Medusomyces Gisevii” em homenagem ao Dr. Gisevius.

Da Polónia há notícias do tempo da primeira guerra mundial sobre a Kombucha. Waldeck conta, em 1927, que, durante a guerra, um farmacêutico polonês, com o qual estava aquartelado, lhe preparou graças a um segredo russo (“cogumelo milagroso”, “cogumelo do Volga” ou “cogumelo Teekwass”) um laxante suave mas eficaz.

Em meados dos anos 20, o Dr. Harms (1927) dava conta de que a Kombucha se havia disseminado consideravelmente na Alemanha, por exemplo, na região industrial do oeste, como recurso doméstico e remédio caseiro e era vendido nas farmácias com nomes como “Mo-Gû” ou “Fungojapon”.

Mas, então, porque é que só agora ouviu falar em “Kombucha”?

O conhecimento acerca do cogumelo da Kombucha parece ter ficado, por longo tempo, mergulhado no esquecimento – pelo menos aqui em Portugal. Por um lado, o fato de as substâncias necessárias – chá e açúcar – serem raras durante o tempo de guerra pode ter impedido a preparação da Kombucha; por outro lado, a marcha triunfal da indústria farmacêutica e da Quimioterapia, em concreto, empurrou os remédios populares naturais para a retaguarda.

Por muitos anos foram festejados os sucessos da medicina escolástica – da cura química e sinteticamente orientada. Todavia, há cada vez mais evidências  sobre as suas desvantagens: os efeitos colaterais listados nas bulas mostram os perigos que estes medicamentos podem representar para o organismo

Crescentemente, com o correr do tempo, a euforia da credulidade na ciência cedeu espaço à desilusão e ao ceticismo. Mais e mais pessoas procuram meios de cura naturais e comprovados métodos de conhecimento popular de reabilitação. Assistimos hoje a um retorno esclarecido a métodos de tratamento e remédios naturais com evidências registadas. Um destes vetustos remédios, que é simultaneamente género alimentício, é a bebida fermentada Kombucha.

A Kombucha tem a fama de estabilizar as defesas do organismo necessárias para a manutenção e reconstituição da saúde e contribuir para o bem-estar. Quem bebe o chá regularmente melhora os indicadores do metabolismo: os ácidos da urina e as gorduras do sangue retrocedem. Quando o metabolismo funciona melhor, os cristais de sal são dissolvidos: dores articulares, reumatismo e artrite param e também a digestão funciona melhor porque os sucos hepáticos ficam mais fluídos e o fígado pode realizar melhor sua função. A Dra. Veronika Carstens, esposa do ex-presidente da Alemanha, escreveu no outono de 1987, numa série com o título “Meus Recursos contra o Cancro”: “A Kombucha desintoxica o organismo e ativa o metabolismo, através disto melhora a defesa imunológica”.

Sendo “um remédio caseiro e produto alimentício”, há parecer científico sobre o consumo de Kombucha?

Três décimos cura a medicina,

sete décimos cura a dieta.
(Da China)

Numerosos médicos e cientistas ocuparam-se com os efeitos da bebida Kombucha utilizada como medicamento popular. A literatura transborda de publicações que se ocupam com o poder de cura deste medicamento caseiro. Deixo-vos com um breve resumo e visão geral cronológica sobre algumas das publicações que tratam dos aspetos de saúde da bebida do Kombucha que achei mais úteis:
– Bacinskaja (1914) comprovou que a bebida é eficaz como regulador da função gastrintestinal. A autora recomendava tomar um copinho da bebida antes de cada refeição aumentando as quantidades aos poucos.

– Na medicina popular da Rússia são atribuídos ao remédio caseiro Kombucha, desde tempos imemoriais, efeitos curativos que vão desde a mais inofensiva náusea até a mais grave enfermidade.

– O Prof. P. Lindner (1917/18) relatou que a bebida é usada principalmente como meio para regular a função intestinal. Ferner informa a Lindner que soube o seguinte do Oberpostsekretär Wagner de Berlin-Charlottenburg sobre os efeitos curativos do Kvass de Chá: “Há alguns anos, em Thorn, foi-lhe recomendada esta bebida como remédio contra hemorroidas e que encontrou a cura com sua ingestão regular.”

– O Geheimrat Prof. Dr. Rudolf Kobert (1917/18) reconhece que, com o cogumelo, foi elaborado um “remédio infalível contra o reumatismo das articulações“.

– Também o Prof. Dr. Wilhelm Henneberg (1926) informa que, na Rússia, uma bebida preparada com o cogumelo do chá, chamada Kvass de chá, está em uso em toda parte e que é considerada um “meio de combate contra todo tipo de doenças, especialmente contra obstipação“.

– De acordo com o Dr. Madaus em “Medicina Biológica” (1927), possui o cogumelo excelente influência sobre a regeneração das paredes celulares e é por isto um excelente medicamento contra a calcificação arterial.

– Waldeck (1927) conta que, durante a primeira guerra mundial, no ano de 1915, na Rússia-Polónia, um farmacêutico, junto ao qual estava alojado, lhe preparou uma “bebida maravilhosa” contra sua obstipação. O farmacêutico recomendou a Waldeck que ele nunca deixasse este “segredo e remédio caseiro russo” se extinguir “uma vez que ele poderia ser bom para todos os possíveis sofrimentos” e, “em razão de seus ácidos naturalmente formados, poderia combater com sucesso os males da idade e assim contribuir para o prolongamento da vida“.

– O Prof. Dr. Lakowitz (1928) confirma a afirmação de Waldeck de que, com o cogumelo do chá, distúrbios de digestão rapidamente podem ser afastados. Com ele também foram afastados experimentalmente dores de cabeça e distúrbios nervosos. Lakowitz chega à conclusão: “Uma disseminação geral do cogumelo do chá com a finalidade de uso e produção deste kvass de chá como remédio contra distúrbios da digestão e todo tipo de males da idade é inteiramente desejável em todos os círculos populacionais, assim como seu cultivo e distribuição pelas farmácias e drogarias.”

– Na revista “Bandeira Branca” (1928) informa-se: “O gosto refrescante da bebida do chá agrada em geral e o efeito é muito bom, o que pode ser constatado em pouco tempo. O paladar é muito agradável – lembra um pouco o vinho levemente espumante ou mosto doce. O efeito do chá mostra-se, na maioria das vezes, bem depressa. Ele age, antes de tudo, na limpeza do sangue e na dissolução de toxinas, e deve, como nos escreve a nossa digna amiga, prestar excelentes serviços também em erupções no rosto. Além disto, ele é excelentemente eficaz, de acordo com opiniões médicas, no caso de dores de cabeça constantes, dores nas juntas, gota, reumatismo, assim como nos males da idade.”

– O Dr. Maxim Bing (1928) recomenda a esponja da Kombucha como “meio muito eficaz para combater a calcificação arterial, gota e obstipação”. Com a utilização de culturas novas e boas ocorre uma “ação eficaz que se manifesta na calcificação arterial, na redução da pressão sanguínea, cessação das sensações de medo, irritabilidade e dores, enxaqueca, tonturas, etc. A obstipação e as manifestações que a acompanham também podem ser melhoradas rapidamente. Na calcificação dos rins e dos vasos capilares do cérebro atingem-se resultados especialmente eficazes, enquanto que as calcificações dos vasos cardíacos foram influenciadas com menos eficácia.”

Bing esclarece o mecanismo de ação da Kombucha: ele havia observado que o cogumelo do chá funciona especialmente bem com o chá preto pois este contém “a maioria das purinas, entre elas também as que ocorrem no metabolismo humano. Estas purinas são corpos químicos constituídos dos assim chamados ácidos nucleicos. Estes, por sua vez, são componentes das proteínas que constituem o núcleo das células. Com a alimentação tomamos diariamente grandes quantidades de ácidos nucleicos dos quais, no curso da digestão, se separam as purinas. Entre as purinas está em primeiro lugar o ácido úrico, do qual a pessoa adulta saudável consome diariamente meio grama. No caso de calcificação arterial e gota, o corpo frequentemente retém ácido úrico. Este circula no corpo como urato monossódico dificilmente solúvel. O urato tem tendência de se depositar em determinados tecidos, especialmente em paredes de vasos sanguíneos adoentados, canaletes dos rins ou articulações.” Do fato de que o cogumelo do chá se desenvolve bem no chá preto rico em purinas, Bing presumiu que os microrganismos do Kombucha necessitam das purinas para o seu metabolismo e as assimilam. Ele deduziu que elas também o fazem no corpo humano transformando as substâncias dificilmente solúveis em água, como o ácido úrico, em substâncias facilmente solúveis em água (aloxana e ureia). Aloxana e ureia então deixam o corpo com a urina. Com este mecanismo de eliminação esclareceu-se para o Dr. Bing a ação eficaz do Kombucha na gota e na calcificação arterial.

– O Professor Dr.W.Wiechowski (1928), então presidente do Instituto Farmacológico da Universidade Alemã de Praga, dedicou à questão do Kombucha um interessante tratado com o título “Que posição o médico deve assumir com relação à questão do Kombucha?“. De acordo com as experiências de Wiechowski, antes de tudo, as doenças ateroscleróticas da idade representam a área de aplicação do Kombucha. Ele menciona “experiências que falam a favor de que a Kombucha também está em condições de influenciar os extremamente dolorosos ataques de angina do peito“. Além disto, a inofensiva substância possui uma ação levemente laxativa. Em especial Wiechowski relata resultados que o Prof. Paul (Viena) observou na diabetes.

– O Dr. L. Mollenda (1928) relata que a Kombucha provou ser eficaz especialmente nos distúrbios dos órgãos digestivos, cuja função virtualmente ele normaliza. Além disto, a bebida aprovou na gota, reumatismo e diversos estádios da aterosclerose. Sobre outras possibilidades de aplicação ele escreve: “Na angina, especialmente quando se trata do revestimento das amígdalas não apenas a bebida deve ser gargarejada mas a mesma também deve ser ingerida com a finalidade de eliminação das bactérias que atingiram o estômago com alimentos e bebidas. O gargarejo, na angina, produz rápida recuperação e nas dores da gota e aterosclerose foram conseguidos sucessos impressionantes mesmo em casos graves. (…) A bebida, mesmo quando azeda, não produz hiperacidez do estômago, mas facilita e promove notoriamente a digestão inclusive de alimentos de difícil digestão. Sucessos igualmente eficazes após ingestão da bebida do Kombucha foram conseguidos também na erupção de gota (eczema) e no caso de cálculos nos rins, bexiga e vesícula biliar.”

– O Dr. E. Arauner (1929) informa com relação a diversos pareceres e juízos médicos e chega à seguinte avaliação: “Em suma, pode dizer-se que o fungo do chá, ou o extracto por ele produzido, demonstrou ser um excelente preventivo contra diabetes, principalmente contra afeções da idade, como calcificação arterial, pressão alta com sequelas como vertigem, gota, hemorroidas e, no mínimo, é um laxante agradável”. O Dr. Arauner informa que o fungo do chá, na sua terra natal, na Ásia, está em uso por causa de sua surpreendente eficácia de cura, desde séculos, como o mais eficaz medicamento popular natural para cansaço, exaustão, nervosismo, manifestações da idade, calcificação arterial, preguiça intestinal, gota e reumatismo, hemorroidas e diabetes. Arauner informa ainda que o cogumelo do chá chegou à Alemanha, provavelmente através de prisioneiros de guerra, e que não só professores, médicos e biólogos confirmaram os surpreendentes sucessos de cura, mas que também, do círculo dos que ingeriram a bebida do cogumelo do chá, estão disponíveis relatos sobre “a excelente eficácia sobre o funcionamento geral do corpo”.

– O então diretor da oficialmente reconhecida Academia de Farmacêuticos de Braunschweig, Hans Irion, diz no seu “Curso para Escolas Profissionais de Farmacêuticos” (1944, Volume 2, página 405): “Pela ingestão da bebida, que é chamada de kvass de chá, ocorre um notável reavivamento de todo o sistema glandular do corpo e um fomento do metabolismo. O kvass de chá é recomendado como excelente profilático contra gota e reumatismo, furunculose, calcificação arterial, pressão alta, nervosismo, preguiça intestinal e manifestações da idade. Ele também é muito recomendável para atletas e pessoas que realizam esforço intelectual. Pela promoção do metabolismo é prevenido ou eliminado o excesso de gordura. Com a bebida também entram no corpo microrganismos que transportam, e assim eliminam, detritos prejudiciais, como ácido úrico, colesterol, entre outros, em forma facilmente solúvel. Bactérias de decomposição intestinal são reprimidas.”

– Foi em 1954 que surgiu a primeira descrição em forma de livro tendo a Kombucha como tema. Em 54 páginas o autor G.F. Barbancik do título russo “Cajnyj grib i ego lecebnye svojstva” («O cogumelo do chá e suas propriedades terapêuticas») aponta para a primeira aplicação do líquido do cogumelo do chá (no ano de 1949) como remédio na clínica terapêutica do Hospital Omsker para trabalhadores do sistema de águas, informando sobre o emprego bem sucedido em inflamações das amígdalas, enfermidades internas de vários tipos (especialmente inflamatórias), catarro estomacal por escassez de produção de ácidos, inflamações dos intestinos delgado e grosso, disenteria, calcificação arterial, pressão alta, esclerose, etc.

Num curto capítulo intitulado de “Alguns rumores infundados sobre o cogumelo do chá”, Barbancink aponta com ênfase que a possibilidade de uma ação anticancerígena da Kombucha do ponto de vista médico-científico tem todo fundamento.

– Em 1964, o médico Dr. Rudolf Sklenar de Lich/Oberhessen informou na revista “Erfahrungsheilkunde (Medicina Experimental)” sobre os seus métodos de diagnóstico e escreveu sobre os sucessos terapêuticos com Kombucha: “Um excelente remédio natural é a ingestão de uma bebida de cogumelo de nome Combuchá que age desintoxicando em todo sentido e dissolve microrganismos assim como ácido úrico e colesterol”.  Dr. Sklenar desenvolveu uma terapia biológica do cancro na qual o Kombucha, ao lado de outros remédios biológicos, como coli-preparados para o saneamento da flora intestinal, representa um papel importante.

Num folheto de 8 páginas com o título “Diagnóstico do cancro pelo sangue e o tratamento do cancro, doenças pré-cancerosas e outras doenças do metabolismo com Kombucha e coli-preparados“, Dr. Sklenar informa que, antes de tudo, são reconhecidos como eficazes as vitaminas, ácidos láticos e ácido glicurónico. Haveria o “extermínio de microrganismos (vírus, bactérias, fungos) e dissolução e eliminação de detritos (ácido úrico, colesterol, etc.).” A Kombucha causaria “uma notável desintoxicação do organismo”. Além disto, pela ingestão da bebida, ocorreria uma “pronunciada revitalização de todo o sistema glandular e uma estimulação do metabolismo”.

Dr. Sklenar informou ainda que pôde tratar com sucesso as seguintes doenças com kombucha: “Gota, reumatismo, aterosclerose, artrite, deficiência da flora intestinal, preguiça intestinal, impotência, corrimento inespecífico, obesidade, furunculose, cálculos renais, colesterol, cancro, principalmente quando em estágios iniciais, etc.”

– Numa série com o título “Ajuda da natureza – meus remédios contra o cancro“, a Dra. Veronika Carstens (1987), a esposa do ex-presidente da República Federal da Alemanha, recomendou Kombucha: “desintoxica o organismo e estimula o metabolismo, com isto a eliminação é melhorada.”

– O médico naturalista A. J. Lodewijkx (Homepage: http://www.ngab.nl/) de Ermelo, Países Baixos, escreve sobre Kombucha no livro “Viver sem cancro” (disponível em holandês e alemão): “O cogumelo do Kombucha tem fortes propriedades antisséticas. O chá limpa o sistema glandular e estimula a digestão. O ácido úrico é neutralizado e eliminado pelo Kombucha, por isto este chá é um excelente remédio contra a gota, reumatismo, artrite, cálculos renais, deficiência da flora intestinal, principalmente contra o cancro em seus estágios iniciais, uma vez que o cogumelo do Kombucha exerce um poderoso efeito sobre os endobiontes patogénicos. Como vimos são os endobiontes que anulam os glóbulos vermelhos do sangue através de uma acidez alterada. O Kombucha, em todas as doenças do metabolismo e cancro, é uma bebida insuperável para a limpeza do corpo. O Kombucha elimina os dejetos do metabolismo e assim normaliza o PH do sangue.”

– O fundador das mundialmente conhecidas organizações Crianças de Salém e das Aldeias da Juventude, Gottfried Müller, elogia o cogumelo do Kombucha como sendo “Um presente dos céus. Principalmente em tempos de crise da saúde.” (Em “Ajudas de Salém” 15, n. 3, agosto de 1987, pág. 2).

Desde os finais do séc. XX aumentou significativamente o interesse da comunidade cientifica por investigar o Scoby, com prevalência na Rússia, pelo seu poder no tratamento do cancro. Há muitos estudos super interessantes, entre os quais alguns realizados pela Universidade de Lisboa também. Recomendo a leitura dos seguintes capítulos :

SCOBY (SYMBIOTIC CULTURE OF BACTERIA AND YEAST): TENDÊNCIAS EM SUCOS E EXTRATOS VEGETAIS https://www.researchgate.net/publication/336373700_SCOBY_SYMBIOTIC_CULTURE_OF_BACTERIA_AND_YEAST_TENDENCIAS_EM_SUCOS_E_EXTRATOS_VEGETAIS

Kombucha: efeitos in vitro e in vivo
https://www.researchgate.net/publication/334213837_Kombucha_efeitos_in_vitro_e_in_vivo


Foi encantador fazer este trabalho de pesquisa sobre a Kombucha para partilhar convosco pelo muito que aprendi e pelas convicções que reforcei!

É certo que das inúmeras propriedades medicinais que podem ser atribuídas à Kombucha determinadas necessitarão ainda de pesquisas. Porém, muitas dessas mesmas propriedades, com a devida história fundamentada e catalogada, com os devidos mecanismos de ação, contudo, estão inteiramente patenteadas em investigações científicas e experiência.

Ambos se prejudicam a si mesmos:

o que promete demasiado

e o que espera muito pouco.
(Da China)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.