“Quando me aceito como sou, posso então mudar.” (Carl Rogers)

Não sei se se passa convosco, mas acredito que muitos atletas, independentemente da categoria, dedicam grande parte dos dias à implementação de estratégias para controlar as necessidades, as emoções e os comportamentos. Talvez todos vivam assim porque a sociedade, a família e os eventos da vida os levem a essa procura incessante, muitas vezes, sem terem consciência disso – porém, os atletas experimentam a busca em todas essas áreas e ainda mais exacerbadamente no desporto.

Continuar a ler ““Quando me aceito como sou, posso então mudar.” (Carl Rogers)”

O treino e a menstruação

Será que posso continuar a pedalar estando menstruada?

Provavelmente esta é a questão mais associada ao duo “Atletas femininas”. Porém, no meu caso, já há muitos anos (quase tantos quanto aqueles em que compito enquanto atleta elite), a questão foi: será que é saudável continuar a treinar NÃO menstruando?
Habituei-me ao facto. Aliás, sem pudor, afirmo que até sentia alguma vaidade em estar entre as atletas elite cuja constituição e performance se revertia nessa amenorreia e mesmo que os profissionais de saúde e fisiologia me dissessem que era importante repor os ciclos menstruais. Como não tencionava engravidar, sentia até um alívio em não atravessar aquelas fases. Verdade seja dita que, durante imensos anos, a própria comunidade científica e desportiva não via qualquer problema nas atletas amenorreicas. Porém, hoje o pensamento especializado é outro. Até as pedras mudam perante a força dos agentes erosivos, e eu também mudei! Compreendo o meu corpo e toda a minha existência como uma unidade que deve de estar em harmonia com a sua natureza.

Continuar a ler “O treino e a menstruação”

Pipocas às competições de ciclismo e à vida real

Para o mundo será “só” mais um sucesso da NetFlix; para mim, foi uma viagem no tempo: um cocktail de passado, presente e futuro-que-se-quer-cumprir!

#lifeonabike tem-me proporcionado experiências que vão para lá do desporto: são sempre experiências (multi)culturais pois implicam países, continentes, hábitos e costumes muito distintos dos nossos lusos.
Competir a prova por etapas de 4 dias, UCI HC Epic Israel – the Ultimate Holy Land Mountain Bike Challenge, naquele país foi uma dessas experiências.

Continuar a ler “Pipocas às competições de ciclismo e à vida real”