Hidratos de carbono: sim ou não?

Eu digo claramente que sim!
Anos de experiência e de acompanhamento por vários nutricionistas e treinadores levam-me a considerar sempre a importância dos hidratos de carbono.
Na verdade, basta pensarmos no que é que são, quimicamente, os hidratos de carbono para perceber as funções que desempenham no nosso organismo: “biomoléculas formadas por átomos de carbono, hidrogénio e oxigénio”.

Existem três subtipos (amido, açúcar e fibra) que:
1. fornecem energia e me ajudam a fazer exercício
São nosso principal combustível: o corpo transforma o amido em açúcares que são absorvidos na corrente sanguínea, criando a glicose (energia de que precisamos para manter o nosso corpo ativo para fazer tudo, desde respirar até fazer exercícios). Durante um treino cardiovascular, o corpo queima açúcares mais rápido. Uma dieta baixa em hidratos de carbono podem levar a falta de energia e fazer com que se sinta mais cansado quando estiver a fazer exercício.
2. são uma fonte importante de fibra
Há evidências de que a fibra pode ajudar a reduzir o risco de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e cancro do intestino.
3. auxiliam a resolver a prisão de ventre
A fibra dos alimentos de origem vegetal é um material que o corpo não consegue digerir e é crucial para que os alimentos se movam dentro do nosso intestino.
4. são uma fonte de nutrientes
São fonte de vitaminas e minerais, como cálcio, zinco, ferro e vitamina B.

A chave é comer o tipo certo de hidratos.


“O tipo certo”? Como assim?!
Há vários tipos de hidratos de carbono (os três subtipos já referidos, recorda?) nas variedades “branca”, “bege” e “verde”. Branca e Bege são o amido que geralmente está presente no pão branco, massa, batata e arroz e nos alimentos açucarados, como refrigerantes, doces e alimentos processados e refinados, incluindo bolos e biscoitos. A maioria desses amidos e açúcares beges e brancos são decompostos em glicose para gerar energia. Até aqui tudo bem. O problema é que, se ingeridos em excesso, essa glicose é armazenada como gordura.

A chave é escolher o tipo certo: verdes. A fibra, encontrada em frutas e vegetais, é o hidrato de carbono a eleger! Produz um efeito de saciedade, é digerido de forma lenta e gradual (são bons para os dentes e gengivas e para o intestino, pois mantêm o movimento e a alimentação da flora intestinal) e fornecem mais vitaminas e minerais.

A mostrar 20200316_200957.jpg
Pão Pachamama Proteico Low Carb com Guacamole de Beterraba

Quem segue as minhas “histórias do dia” no Instagram @ildacpspereira sabe que a cor verde aparece a qualquer momento (seja no pequeno-almoço seja num lanche) e que metade do prato que perfaz o meu jantar é verde ou com cores vivas – a que junto o amido resistente, encontrado em alimentos ricos em fibras, como lentilhas, feijões e grãos integrais não processados (este amido é difícil de digerir e vai diretamente para o cólon para alimentar a flora intestinal. Uma flora intestinal saudável está ligada a uma ampla variedade de benefícios, tanto físicos quanto mentais).

A mostrar 20200314_172604.jpg
Pão de cânhamo Pachamama com variedades Protella

Assim, há muito que não consumo alimentos processados e refinados. Tal faz com que esteja constantemente em busca de produtos e empresas que correspondam às minhas escolhas saudáveis!
Como boa portuguesa, gosto imenso (mas é que gosto mesmo muito) de pão. Venho de uma família humilde, dos tempos em que se moíam os grãos no moinho junto ao ribeiro e a minha avó cozia o pão que durava para toda a semana até à próxima fornada de domingo e que ainda ninguém sofria com o “glúten branco”. Mas esse pão já não há, não é?
Surpreenda-se!
Investiguei e cheguei até à Pachamama (que quer dizer “mãe terra”). Procurava pão à artesanal e sem glúten. Queria daquele pão “rude e rústico”, daquele que ia irritar e alimentar a flora, daquele que agora já não é pobre mas sim “biológico”.
Investiguei e cheguei à “Pachamama”, uma Padaria com certificação Biológica.
Atraiu-me a composição nutricional mais equilibrada e saudável, face ao pão branco comum (que jamais consumo), com recurso a matérias primas de origem controlada, criadas sem químicos, fertilizantes e OMG (organismos geneticamente modificados), e com certificação biológica.
Atraiu-me a gama de pão com massa mãe produzido através de métodos de fabrico tradicionais de fermentação lenta, sem qualquer fermento adicionado, e a gama de pão sem glúten.

É esta a gama que se adequa à minha condição de saúde e que é composta por:
🌱Aveia e Sementes: um pão consistente, com uma textura homogénea e de agradável degustação;

http://pachamama.pt/produto/aveia-e-sementes/

🌱Pão de Cânhamo: um pão duro, tosco, compacto e de sabor à antiga broa de centeio;

http://pachamama.pt/produto/pao-de-canhamo/

🌱Banana e Canela: retirar a película que o protege é logo um alarme aos “gulosos” pois cheira e sabe a um delicado bolo de banana natural;

http://pachamama.pt/produto/banana-e-canela/

🌱Paleo Low Carb: natural, naturalíssimo e inigualável;

hhttp://pachamama.pt/produto/pao-paleo-low-carb/

🌱Proteico Low Carb: mais leve que o anterior mas de transversal unicidade.

http://pachamama.pt/produto/pao-proteico-low-carb/


Sem fugir ao tema, e porque os hidratos de carbono verdes, benéficos para a saúde em geral e para quem pratica exercício físico em particular, são o tema, encontrei um pão de qualidade, parte da dieta mediterrânica, e um dos alimentos que mais me é querido que responde à minha condição de saúde, às minhas necessidades enquanto atleta de ciclismo de resistência e às minhas filosofias de vida (consumo consciente, respeito pelo nosso planeta, estilo de vida mais saudável e em harmonia com a natureza, convicção de que se comer bem viverei certamente melhor).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.