Querer não é poder!

1ª Volta às Beiras em Bicicleta – Ciclismo Feminino

Uma vez mais, desacredito um desses chavões que reinam na boca do povo e, agora, em popularuchos posts de um qualquer “Coach” ou “Capacitador de potencial humano”.

Vem isto a propósito de um evento de extrema importância para o Ciclismo: a 1ª Volta às Beiras em Bicicleta – Ciclismo Feminino.

E porque é que eu escrevi “para o Ciclismo” e não “para o Ciclismo Feminino Português”, como o senso comum anteciparia? Porque o Ciclismo, como a vida, não pertence a um género! Não há um Ciclismo das Mulheres! Como não há um Ciclismo dos Homens nem uma Medicina, um Direito, uma Culinária de Género ou o que quer que seja! Se as atletas são do género feminino, a probabilidade de que o D.D. (Diretor Desportivo), o Presidente da Associação, o mecânico, o treinador, o staff, o organizador da própria prova, etc. seja masculino é tremenda! Não vou dizer que seja de 90%, porque não analisei os dados, mas, por experiência enquanto ciclista, posso usar o termo “tremenda” para descrever a presença masculina no Ciclismo Feminino! Aliás, mais acrescento que esta é uma realidade não só da modalidade em Portugal, sendo partilhada pela generalidade dos países (sobretudo no que ao “amadorismo” diz respeito; já que no profissional a tendência é para criar uma cultura e linguagem com identidade própria). Como mulher, como ciclista, sou muito grata aos “homens bem resolvidos” e iluminados que fazem acontecer, que criam equipas, que organizam provas, que levam as atletas às provas, que regulam por um desporto equitativo. Assim está tudo bem!

Está tudo bem porque defender o Ciclismo Feminino não é o mesmo que defender um Ciclismo alienado daquilo que são a ética, a disciplina e os valores da cidadania (no, do e pelo Desporto). Não importa de onde vêm, quem são, cor, credo; importa que venham para uma mudança positiva – neste caso, no Ciclismo Nacional Feminino.

Logo, “Querer não é poder”. Querer é muitas vezes apenas crer: crer que se pode fazer acontecer; crer que se fez, tem-se feito e vai fazer-se o melhor possível, em determinadas condições, com os melhores recursos (humanos, materiais e financeiros) possíveis. Querer é um desejo, um desígnio e é movimento; a melhor ação possível! E não importa quem é o agente: importa que aja! Podes ser tu, o presidente da Federação, o calceteiro, a Diretora de Ciclismo, o ex-jogador de futebol, a enfermeira ou a senhora que sempre viu a Grandíssima passar-lhe à porta de casa e que desejava ver um dia um pelotão feminino! Não importa quem, mas importa sim que venha esse “empurrão” que nos leva a andar para a frente, esse “pontapé na bunda” que nos atira para diante!

“Pontapé na bunda” que me atirou para este artigo foi a pergunta que muitos já me colocaram – certamente o leitor já se questionou também – “Mas, então, Ilda, vais querer correr a 1ª Volta às Beiras?”

“Querer não é poder”! Eu quero, mas não posso! Como me dizia Monica Calderon, ciclista profissional, estrela Colombiana, que me concede o privilégio de ser minha amiga: “Pensas que controlas tudo, que tens tudo controlado, e aí a bici te mostra que não é bem assim”! Quero, mas não posso.

Ironicamente recebo amanhã o resultado da Ressonância Magnética. Talvez esteja a recuperar bem. Mas o certo é que não estarei no terreno que é o meu lugar.
Eu quis e não poderei! Assim que acordei após estar inconsciente e ter sofrido o grave “incidente”, a 15 de junho, na 5ª etapa da Alta Via Stage Race, a poucos kms da meta em Génova, convictamente parti para a recuperação. Queria estar de volta o mais rápido possível e queria que esse “mais rápido possível” fosse estar na 1ª Volta às Beiras. Faço hoje pública a mensagem que mandei ao meu D.D., Nuno Monteiro, dando-lhe conta de que, por reduzidas que fossem as probabilidades, tinha a intenção de integrar a “squadra” Korpo Activo / Penacova. Ele ficou sem saber o que dizer. Eu digo-lhe agora que ficará para depois, mas estarei, como tenho sempre estado, com a equipa! Boa prova, meninas!

Ironicamente a 1ª Volta às Beiras fazia parte dos meus objetivos por tratar-se de, tal como mencionei no início deste artigo, um marco para a História do Ciclismo e das Mulheres, de todos os agentes que fazem o Ciclismo em Portugal acontecer. Há de haver uma 2ª Volta às Beiras, mas já não terá, para mim, o mesmo valor. Há de ter um outro; será uma outra prova, com outra história.

De resto, estarei atenta às 3 etapas que se desenrolam de 23 a 25 do corrente, nos Municípios de Almeida, Mêda e Sabugal. No dia 23 de julho, pelas 18:00h, iniciará o Contrarrelógio (CR) por Equipas, a ligar Casteição a Mêda numa extensão de 11,2km; no dia seguinte, pelas 10:00h, será dada a partida para a Etapa 2, ligando Mêda a Almeida, com 68,6km; no último dia o pelotão feminino arrancará de Almeida pelas 11:00h para terminar no Sabugal, depois de 63,4 km.

De acordo com o Regulamento Particular da Prova, “A 1ª Volta às Beiras em Bicicleta – Ciclismo Feminino é um evento organizado pela Associação Ciclismo da Beira Alta (ACBA) em parceria com a Envolvsport e os Municípios de Almeida, Mêda e Sabugal, que se rege pelos Estatutos, Regulamentos e normas da UCI, da UVP – Federação Portuguesa de Ciclismo e da ACBA, havendo uma aceitação expressa dos mesmos pelos intervenientes. (…) A 1ª Volta às Beiras em Bicicleta – Ciclismo Feminino está inscrita no calendário regional na classe 1.19 e é reservada a atletas femininas das categorias de Cadetes, Juniores, Elites e Masters. A prova adota o formato “Challenge” por pontos em que uma atleta que desista ou conclua a etapa ou prólogo fora de controlo, poderá alinhar na etapa seguinte. (…) São atribuídos os seguintes prémios:  Troféus para a vencedora de cada etapa; Camisolas de líder em todas as etapas; Troféus para as 3 primeiras classificadas de cada escalão no final das 3 etapas e para as Equipas (após a 3ª etapa; 3 primeiras classificadas)”.

Os interessados podem encontrar informação sobre:

REGULAMENTO PARTICULAR: https://www.fpciclismo.pt/calendarios_ficheiros/2021/anexo_guia_tecnico-NQaYXteFH0eOgih0K85H1.pdf?fbclid=IwAR1sdGkg6JmeTfhWUpw6r2ixQfOsA9fbutKdK5PI1wydco0EQ6rZBEd0Nog


PERCURSO: https://www.fpciclismo.pt/calendarios_ficheiros/2021/anexo_percurso-NQaYXteFH0eOgih0K85H1.pdf?fbclid=IwAR3qofItOxiS4nueOu1trbLfOgpvH98G2s69CG5mASPF-UZtIP0cqr0u7Pc

Estejam ainda atentos às seguintes páginas:

Federação Portuguesa de Ciclismo: https://www.fpciclismo.pt/prova-estrada

Associação de Ciclismo da Beira Alta: https://www.ciclismobeiraalta.com/estrada

Sigam a página do Facebook da Associação de Ciclismo da Beira Alta pois é provável que possam façam a transmissão do evento: https://www.facebook.com/ciclismobeiraalta

Casa Myzé Team / BM High Performed Train / Casa Myzé / Blackjack – High Performance Wheels / Deed Bikes / Oriente No Porto restaurante vegetariano / Shimano Portugal / Michelin / Kroon-Oil Portugal  / Fisioterapeuta – Diogo Novais / ND Tuned / SC Vouga Ciclismo / / Lazer Helmets / Clorofila Medicina Natural Lda / Aluminium Nuno / Gosto Superior / / Soba Chá / Shine Superfoods / Elementar Cycles /

#ildapereiratleta #uci #mtb #wms #roclaissagais2019 #portugaltourmtb #laleyenda #laleyenda2018 #laleyenda2019 #brasilride #brasilride2018 #epicisrael #epicisrael2018 #rutapaternabtt2019 #muchmorethanarace #casamyzeteam #muchmorethanateam   #animalcrueltyfreerider #mountainbike #womenonbikes #allblackcc #thisiswhywerace #4islandmtb #rideshimano #shimanoportugal #borntopushlimits #scvougaciclismo #institutoleidaatração

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *