“Olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço”

Se os portugueses já passaram a considerar os apoios fiscais e o reembolso de certa quantia na aquisição de bicicletas, a proposta da criar um incentivo no valor de 0,24€/km pedalado para quem utilize a bicicleta no contexto casa-trabalho ou casa-escola (num valor máximo de 600€/ano/pessoa) por certo que integraria bem a ordem de trabalhos de qualquer partido político.

Mas, será que este valor convence, de facto, os portugueses a fazerem-se à estrada de bicicleta para o trabalho e para a escola? Será que não valerá a pena ampliar este incentivo, tornando-o realmente significativo para o rendimento das famílias e alargá-lo para lá daqueles dois usos?

É que as pessoas não vivem só na cidade.

Continuar a ler ““Olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço””
🏥🤕🚵🏼‍♀️
Em primeiro lugar, respeito pelos meus pais, pelo meu irmão e pelo meu marido! Desde o momento em que acordei, após o incidente a poucos kms do final da etapa de 15 de junho da Alta Via Stage Race, comprometi-me a sair desta "fase" sem dor para eles! Este foi e é o meu pensamento! A situação é já bastante difícil, e sei que vocês respeitarão esta quietude.💕
Versão original em Inglês de 24 de junho às 12:39  
Continuar a ler “”

Pasta Pasta Pasta – Os ciclistas querem é Dalla Pasta

Quando chega a hora de dar de comer a um ciclista, a primeira coisa que vem no menu é Pasta Pasta Pasta!
Mas porquê? De onde surgiu essa ideia de que ciclistas têm que comer massa? A resposta é simples: trata-se de nutrição para a recuperação porque, para abastecer “o tanque” – mais conhecido como barriga – com muita quantidade de hidratos de carbono, as massas desempenham um papel hegemónico no plano alimentar dos ciclistas.

Continuar a ler “Pasta Pasta Pasta – Os ciclistas querem é Dalla Pasta”