Deixe-me ir. Preciso andar.

Este texto deve de ser lido ao som da música “Preciso me encontrar” do artista brasileiro Cartola.
Dedicado ao meu amigo Mário Roma, “meu Rei”, sangue do Brasil Ride.

BRASIL RIDE #morethanarace #astageinyourlife
Continuar a ler “Deixe-me ir. Preciso andar.”

Era importante poder morrer de quando em vez

Entre o elevar e o derrotado baixar de braços está a vontade, a atitude, um pensamento, um crer, um querer, uma força que é motora e suicida – como disse o poeta: era importante poder morrer de quando em vez, sobretudo naqueles dias de treino e de prova em que sobreviver cansa tanto. Continuar a ler “Era importante poder morrer de quando em vez”

Desde o Bronze no Campeonato Nacional XCM


When you must slow down, you have to slow down. Some may call it “life”, others “cosmos”, “destiny”, “energy”… You may call it whatever pleases you the most but there is no such thing as casualty in life. Porque lo que toca toca! No vale la pena seguir intentando, dando lo todo, lo que tienes y que no tienes hasta que te fundan las fuerzas. Logo, esquece o drama ou a epopeia: a vida é o que é e tem de ser vivida pelo que é, sem artifícios barrocos nem acessórios kitsch. Continuar a ler “Desde o Bronze no Campeonato Nacional XCM”

Faltam 239 para o réveillon

Chegaremos a tempo dum jantar com a nossa mãe ou já só para um abraço de boa noite que nos sacie a sede de colo? Eu não sei! Já não conto estes dias carregados de energia que deixei de presenciar, festejando sempre na distância. Sou anorética destas celebrações, bulímica de intenções! Continuar a ler “Faltam 239 para o réveillon”

«Lo que toca, toca!»

#matiasnocomando
«Escolhi estas duas fotos (podiam ser outras) que retratam bem um pouco do segredo. O foco e muita Garra para além da paixão e máximo rigor sempre.» (Matias Novo – Fotografias )
Continuar a ler “«Lo que toca, toca!»”